COMO O MAPA ASTRAL PODE REVELAR COISAS SURPREENDENTES SOBRE SUA CONSTELAÇÃO SISTÊMICA

 

Você já percebeu que o assunto Constelação Familiar tem sido muito falado ultimamente?

São muitas as pessoas que tem se interessado pelas Constelações Sistêmicas, uma nova forma de terapia que tem produzido sucessos surpreendentes.

Para você ter uma ideia, veja como aumentou nos últimos meses o número de buscas no Google sobre Constelação Familiar:

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Agora, o que talvez você ainda não saiba é que um Mapa Astral pode revelar as histórias que aparecem numa Constelação Sistêmica.

Mais que isso, a análise sistêmica de um Mapa Astral pode definir qual tema deve ser levado para ser trabalhado na Constelação Familiar.

Por meio da Astrologia Sistêmica, utilizando a visão de Bert Hellinger aplicada à interpretação do Mapa Astral é possível identificar as causas de muitos conflitos e bloqueios originários do sistema familiar.

Quer saber mais sobre como a Astrologia Sistêmica revela esses “nós” herdados dos antepassados?

Então continue lendo este artigo e você saberá:

  • a relação entre Astrologia e Constelação Sistêmica
  • o que é Astrologia Sistêmica
  • como a história dos antepassados influencia o seu destino
  • como essas histórias são apresentadas no Mapa Astral
  • a função PAI e a função MÃE
  • o significados dos planetas e suas posições na Astrologia Sistêmica

 

EXISTE RELAÇÃO ENTRE A ASTROLOGIA E AS CONSTELAÇÕES FAMILIARES?

O momento exato em que nascemos é carregado de um significado bastante profundo.  É quando recebemos o presente mais valioso que se pode receber: o dom de estar na vida.

Um presente fornecido pelo nosso sistema familiar de origem e cujo preço jamais poderá ser pago, mesmo que se conquiste todos os tesouros do mundo.

Por isso, nossa forma de reverenciar o sistema familiar que nos deu a vida é sermos profunda e inevitavelmente gratos a esse sistema, adotando suas histórias, defendendo seus paradigmas e repetindo seus padrões.

Mesmo  que de forma inconsciente!

Agora, pense comigo: se um Mapa Astral é um diagrama das posições dos signos e astros no momento do nascimento e sua interpretação revela as dinâmicas que atuam no nosso destino, é evidente que os padrões herdados do sistema familiar que nos deu origem também estão ali expostos no Mapa Astral.

Bastante lógico, não é verdade?

Esta é a lógica da Astrologia Sistêmica, a interpretação do Mapa Astral utilizando as leis  e conceitos das constelações sistêmicas.

O que é a Astrologia Sistêmica

A Astrologia Sistêmica é um método de consulta astrológica com caráter profundamente humanista. Não se trata de uma terapia, mas revela aquilo que pode ser trabalhado numa terapia.

São muitos os clientes que buscam a Astrologia Sistêmica para descobrir um tema que esteja relacionado aos seus problemas pessoais e levá-lo para a sua terapia ou para uma constelação sistêmica.

Numa consulta de Astrologia Sistêmica, o astrólogo auxilia o cliente a encontrar os programas inconscientes – muitos deles herdados do sistema familiar – que fazem o indivíduo repetir histórias, comportamentos ou sintomas.

São programações inconscientes originárias de “nós” emocionais que ficaram lá no passado de sua árvore genealógica, mas que mesmo hoje ainda impactam na sua vida sabotando a sua prosperidade e felicidade em diferentes áreas da vida.

Cada um de nós carrega a sombra de nossos antepassados, tudo o que há nela de positivo e negativo, e no momento em que nascemos numa família, é como se assinássemos um contrato de fidelidade a essa sombra.

Crescemos, trabalhamos, nos relacionamos, amamos e até adoecemos para honrar esse contrato, não importa o custo.

 

SUA VIDA TODA É UMA PROJEÇÃO DOS SEUS ANTEPASSADOS

Você já parou para pensar quais são as forças que fazem você viver do jeito que tem vivido até hoje?

O que fez você escolher a profissão a qual se dedica? Apenas uma preferência ou aptidão vocacional, ou há algo mais por trás dessa escolha? E se não houve escolha, o que também pode haver por trás disso?

E seus relacionamentos? Por que tem os amigos que tem? Por que se relaciona com determinado tipo específico de pessoas? O que, lá no fundo, determina tais preferências ou atrações?

Somos o ponto focal onde atuam muitas forças visíveis e invisíveis que parecem nos guiar nas nossas escolhas ao longo da vida.

Porém, cada um reage a essas forças de formas distintas e com intensidades diferentes.

Já reparou que as pessoas, quando sofrem uma perda, reagem diferentemente ao processo de luto?

Umas podem se tornar mais entristecidas e acabam tocando a vida assim mesmo, enquanto outras tornam-se profundamente deprimidas e sentem-se totalmente incapazes de seguir com a vida cotidiana.

Por trás de comportamentos, sintomas, escolhas profissionais, relações afetivas, relação com o dinheiro e tantas outras formas de agirmos e nos expressarmos, existe o eco do passado familiar que pode ser resumido em duas funções: a função pai e a função mãe.

A função pai é a que gera a vida e faz com que nos lancemos na vida. Representa a capacidade de conquistar, criar e empreender. Está relacionada às vitórias públicas e a determinação da ordem e disciplina. É a fonte de sustentação do patriarcado.

A função mãe é a que sustenta e mantém a vida. Representa a capacidade de estar na vida, a posição em que nos colocamos nela e nosso grau de autopermissão de desfrutar dos bens da vida. Está relacionada à nutrição,manutenção, afetividade, acolhimento e senso de segurança. É a essência do matriarcado.

Não importa nossa relação com o sistema familiar de origem, fato é que todos nós temos um pai e uma mãe biológicos.

Essas duas funções carregam o somatória das vivências dos membros masculinos e femininos da árvore genealógica, ao longo de incontáveis gerações.

No momento em que nascemos, assinamos nosso contrato com essas duas funções e passamos a viver de acordo com o que cada uma delas nos traz de conteúdos e vivências.

Tanto a função pai, quanto a função mãe são reveladas na leitura de um Mapa Astral por meio da Astrologia Sistêmica.

 

COMO O MAPA ASTRAL PODE CONTAR AS HISTÓRIAS DO NOSSO SISTEMA FAMILIAR DE ORIGEM

 

É comum encontrarmos numa família algumas coincidências astrológicas.

Por exemplo, o filho tem a Lua posicionada no signo da mãe. Ou a mãe tem sua Lua na mesma posição que o Ascendente do filho.

Muitas vezes signos se repetem numa família, ou pulam gerações. Uma neta pode ter nascido no mesmo dia de uma das avós, ou no signo ascendente de uma delas.

É inegável para mim, após mais de 20 anos analisando mapas astrais, a ocorrência de diversas possíveis conexões e coincidências de signos, planetas e casas astrológicas numa família, quando se compara mapas entre gerações.

Existem temas astrológicos comuns entre antepassados e seus descendentes e tudo isso cria uma riqueza de interpretações que faz da astrologia uma disciplina muito maior do que um simples jogo divinatório.

Sem dúvida, o Mapa Astral é um mapa do sistema familiar e mostra repercussões deste ao longo de gerações, unindo passado e presente, e apontando para um futuro de cura e prosperidade.

Para você entender melhor como isso acontece, assista ao vídeo em que explico como o Mapa nos conta histórias do passado familiar CLICANDO AQUI.

 

A Lua no Mapa: a função mãe e a qualidade da força que faz você estar na vida

Tradicionalmente, a Lua é vista na Astrologia como o significados da infância, do processo de gestação e da qualidade da nutrição e segurança fornecida pela mãe ao indivíduo.

Mas ela representa muito mais!

Psicologicamente, ela está relacionada à fase oral de desenvolvimento da personalidade, quando a criança absorve informações a partir do comportamento da mãe ao lhe oferecer alimento e proteção.

Segundo a astróloga Liz Greene, aqui evidencia-se a formação do que Erik Erikson chama de confiança e desconfiança básica em seu livro Infância e Sociedade.

Ou seja, a partir das experiências do campo materno o indivíduo irá formar uma confiança ou desconfiança em relação à vida, no que ela pode ou não lhe ser favorável no oferecimento de prosperidade e segurança.

Quando olhamos o Mapa Astral, buscamos no posicionamento da Lua a história trazida pelas mulheres do clã.

É essa história que irá afetar a confiança da pessoa no fluxo da vida, seu senso de merecimento e sua firmeza em ancorar-se na vida.

Quando a Lua está negativada no Mapa Astral, comportamentos e sintomas irão se manifestar, ou como repetição de um padrão das mulheres da árvore genealógica ou como uma tentativa de fugir dessa sina já conhecida pelo inconsciente.

Em qualquer um dos casos, o movimento resultará em comportamentos e sintomas autodestrutivos ou fugas para soluções que nunca chegam a um fim razoável, tragando de volta à pessoa à questão inicial da qual fugiu.

Cedo ou tarde, cada um de nós terá de enfrentar os conteúdos do lado feminino da árvore genealógica, integrá-los, balanceá-los, compreende-los ou superá-los.

A resistência à mãe e ao que ela representa sistemicamente só fará a pessoa fracassar na vida.

A simples tomada de consciência desse conteúdo vindo das mulheres do sistema de origem, seja numa consulta de Astrologia Sistêmica, seja num trabalho de Constelação Familiar, já é o primeiro passo para a resolução desses conflitos transgeracionais.

 

O Sol no Mapa: a função pai e a qualidade da força que o faz sair em conquista de coisas na vida

 

Na Antiguidade, o Sol era cultuado como o Criador e Governador do Cosmos.

Do ponto de vista astrológico, o Sol representa o Poder Criativo, o Máximo Líder, a Força que gera e expande a vida sobre a Terra.

Na psicologia do desenvolvimento da personalidade, o Sol juntamente com Marte, dois princípios do elemento Fogo, relacionam-se com a fase anal, quando a criança desenvolve a autoconfiança e a autonomia.

Esses são elementos psicológicos fundamentais para que a função pai tenha  sucesso em seu objetivo: lançar o indivíduo na vida.

Nas sociedades tribais, é o homem que leva o filho para caçar, pescar e lutar.

Essa função, associada à história dos homens do clã, quando bem integrada no Mapa Astrológico, permite que o indivíduo forme a partir da imagem paterna (e dos demais homens da linhagem familiar) os conceitos e os comportamentos necessários para a conquista da vitória pública.

Quando o Sol está negativado no Mapa Astral, há falta de autoconfiança e pouca autonomia. O indivíduo não tem força para ir além dos limites básicos do ambiente em que foi criado. Fracassa nos seus empreendimentos.

Toda falência ou derrota pública é ressonância de homens da linhagem familiar que não conseguiram se realizar na vida.

Levando em conta a Lei da Ordem que Bert Hellinger coloca como um dos pilares das Constelações Sistêmicas, aquele que vem nas gerações posteriores não pode ser maior que os que os precederam.

Portanto, se os homens do clã não conquistaram a vitória pública, os indivíduos das novas gerações não se sentem autorizados pelo inconsciente a vencer na vida.

Farão de tudo para manter a fidelidade ao sistema de origem, sabotando seus esforços e empreendimentos, de forma inconsciente, para não vencerem na vida.

Por mais que a mente consciente lute e se esforce, acreditando e se achando merecedora de vitória pública, o Inconsciente se lançara poderosamente sobre esses esforços. Batalhas inevitavelmente serão perdidas, apesar da qualidade dos esforços. Empreendimentos terminarão em fracasso, por melhor que tenha sido a estratégia empregada.

A simples tomada de consciência desse “nó” sistêmico na cadeia paterna representada por um Sol mal integrado no Mapa Astral, seja numa consulta de Astrologia Sistêmica, seja num trabalho de Constelação Familiar, já configurará um primeiro passo em direção ao desarme de armadilhas postas no caminho da vitória pública.

 

ASPECTOS PLANETÁRIOS COM A LUA E O SOL: HISTÓRIAS DO PASSADO CRIANDO O PRESENTE

Em Astrologia chamamos de aspectos as diversas posições que um planeta faz em relação a outro.

Geralmente são considerados os ângulos e, a partir disso, temos ângulos favoráveis e desfavoráveis.

Quando fazemos uma análise sistêmica do Mapa Astral, levamos em contra o significado de cada uma das diferentes posições e ângulos que a Lua e o Sol fazem com os demais planetas, especialmente os planetas exteriores (Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão)

Assim, temos que:

Conjunção: tendência de repetição do padrão vivido pelos homens ou mulheres do clã. Aqui há a tendência de reviver histórias dos antepassados. Exemplo: a pessoa que repete as histórias de falências vividas pelos antepassados de forma totalmente passiva.

Quadratura: choque de paradigmas entre o que a pessoa busca e o que o sistema familiar lhe fornece. Aqui as histórias dos antepassados forçam sua manifestação, entrando em choque com a estrutura de vida do indivíduo. Exemplo: a pessoa que luta para mudar um destino familiar, resiste e se desgasta, mas acaba sendo derrotada pela força autossabotadora.

Oposição: tentativa de compensação ou busca de equilíbrio entre o que o indivíduo quer pra si e as coisas que ele se sente obrigado a fazer para honrar o sistema familiar de origem. Exemplo: a pessoa age na tentativa de fazer a história passada ser diferente, mas acaba no final repetindo o mesmo resultado.

Trígono: fluxo que permite mudanças tranquilas nos paradigmas de um grupo familiar. Aqui as mudanças ocorrem no ritmo do indivíduo e de acordo com seu nível de compreensão sobre o passado. Exemplo: a pessoa busca aprender e aplicar novas formas de atuar na vida, abandonando, ao poucos, o velho padrão e criando um novo.

Sextil: abertura e oportunidade concreta de mudança da relação do indivíduo com a história familiar passada. Aqui o indivíduo é praticamente posto diante de situações de libertação dos velhos padrões de seu sistema familiar de origem. É um processo de cura sistêmica. Exemplo: a pessoa se vê diante de situações que a forçam a buscar uma nova direção na vida e ganha oportunidades de romper de vez com o passado.

 

OS PLANETAS EXTERIORES E O PESO TRAZIDO PELO PASSADO AO PRESENTE

Os planetas exteriores, quando fazem aspectos com a Lua e o Sol, dão informações sobre que tipo de história do passado tem influenciado o destino da pessoa.

Assim, podemos dizer que os significados mais comuns dos aspectos com os planetas abaixo são:

Júpiter: situações de excessos vividas pelos antepassados e que geraram perdas e/ou exclusões do sistema. Exemplo: alguém no passado perdeu tudo no jogo e, gerações depois, alguém irá ter dificuldade de manter a segurança financeira, vivendo episódios de perdas por forças que estão alem de seu controle.

Saturno: limitações e castrações da força, expressão ou capacidade de crescimento ocorridas no passado, cenários de carestia e frustrações produzidas pelo ambiente social ou situação histórica da época. Exemplo: mulheres que tiveram a expressão de sua feminilidade castradas pelos homens (pai, marido) e que gera nas mulheres das gerações seguintes uma dificuldade na expressão da feminilidade.

Urano: forças sociais, políticas e econômicas que atuaram de forma drástica na vida dos antepassados, produzindo perdas e exclusões no sistema familiar. Exemplo: antepassado que teve de sair do seu lar por conta de acontecimentos além do seu controle e, gerações mais tarde, alguém tem imensa dificuldade de criar raízes e estabilidade na vida.

Netuno: segredos, mentiras e traições, além de um mau uso da espiritualidade. Também representa um passado carregado de problemas de ordem psicológica. Exemplo: um antepassado foi doado ao nascer, excluído do grupo, por escolha ou força das circunstâncias, fazendo com que alguém nas gerações futuras tenha o desejo de adotar uma criança a fim de trazer de volta aquele que foi excluído do bando.

Plutão: perdas e transformações dolorosas que criaram um “vazio” jamais preenchido no sistema. Exemplo: lutos não resolvidos, abortos e mortes que não foram aceitas e integradas no sistema familiar, fazendo com que gerações depois ocorra dificuldade dos descendentes de permanecerem na vida de forma saudável e sem culpa ou comportamentos autodestrutivos.

 

Esses são apenas alguns poucos exemplos dos que já vivenciei nas consultas que realizei fazendo a análise sistêmica do Mapa Astral de centenas de pessoas.

Se você quer conhecer um exemplo muito interessante de Astrologia Sistêmica, assista ao vídeo onde faço a análise sistêmica do Mapa Astral de Elvis Presley CLICANDO AQUI.

Gostou desse artigo e acredita que ele pode ajudar um amigo a conhecer mais sobre a relação entre Astrologia e Constelações Sistêmicas? Compartilhe-o nas redes sociais.

Ah, se inscreva também em nossa lista de email para ser o primeiro a receber novidades aqui do Astrologia Sistêmica.

É gratis!

Conhecimento sempre pede novas atitudes para mudar aquilo que necessita ser mudado. Por isso, se você tem interesse em conhecer mais sobre a Astrologia Sistêmica ou descobrir como a história dos seus antepassados está vinculado ao seus destino, entre contato conosco por email ou WhatsApp e marque uma consulta.

Talvez seja esse o próximo passo na sua jornada para a libertação e conquista da prosperidade que você merece!

 

Gostou deste artigo? Então, deixe um comentário or inscreva-se RSS feed para receber as novidades do site

Carlos Harmitt

Astrólogo e pesquisador do Pensamento Sistêmico e das Constelações Sistêmicas.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *